Anonymous disse:
Segue e rebloga? Faço o msm

Vem privado, se eu gostar sim. 

se do caos

surgem estrelas

sou feito de

constelações.

f.b

Eu sou uma boba, romântica, patética, que vivo recitando poemas mentalmente para alguém que eu nem ao menos encontrei, alguém quem o destino ainda não me apresentou, alguém por quem eu acompanharia em todos os cantos do mundo. Eu ainda nem conheço o tal do “você” que eu poderia amar, mas eu preciso tanto, tanto que chega a doer; não se trata de carência, se trata de algo maior, uma necessidade. Uma necessidade que quando for saciada meu coração não vai parar de gritar teu nome nem por um segundo sequer. É uma necessidade de saber o que é isso que todos falam, essa felicidade que eu vejo em tantos casais. É uma necessidade de se sentir completa, sem ter mais necessidade nenhuma. Sorrir de verdade, porque eu teria algum motivo de verdade para me sentir feliz. A vida parece ser bem mais simples quando encontros o tal do “você”.Entretanto parece que não sou uma das pessoas que têm essa sorte.Meus “você’s” vêm sendo desastres atrás de desastres. Idealizações românticas e patéticas. Talvez seja apenas um coadjuvante na minha comédia. Quem sabe foi um engano também. Apaixonar-se até agora só me mostrou um jeito excelente de sofrer. Talvez Deus esteja preparando o meu “você” mas espero que ele tenha o seu sorriso. Ta vendo como me complico? Desejo alguém perfeito e te coloco no meio, sendo que tem suas inúmeras complicações que junto com as minhas se complicam mais ainda. Esse “você” deveria ser perfeito, daqueles do tipo príncipe encantado assim como retratam os contos de fadas. Mas o meu “você” se encaixa mais no ogro, na imperfeição, e eu gosto disso.
—  By: Paula, Paloma, Renata and Ana Beatriz written in imperfeita-s.
Da carcaça
Fez-se pó,
Que com
O vento
Espalhou-se
Ganhando liberdade
De não viver
A sós.
—  Guilherme M. 
Um homem vai ao médico, dizendo estar deprimido.
A vida parece dura e cruel.
Ele diz se sentir sozinho nesse mundo ameaçador.
O médico responde: o tratamento é simples.
O grande palhaço Pagliacci está na cidade.
Vá assisti-lo. Isso deve alegrá-lo.
O homem explode em lágrimas.
“Mas doutor,” ele disse.
“Eu sou Pagliacci”
P