"É triste tentar imaginar o que está fazendo neste exato momento, será que está dormindo?! Ou se mantém acordado pensando na vida?! Talvez esteja pensando em mim ou se eu ainda pertenço a sua vida esteja pensando nos dois. Eu deveria estar escrevendo uma carta pra você, digo de forma convencional usando papel e caneta e logo em seguida queimando- a, deixando que o vento a levasse ao seu encontro e que junto fosse esse aperto, com sorte te atingiria mesmo que em sonho e te faria lembrar o que éramos um para o outro. Eu desejaria que o vento levasse o meu amor em forma de cinzas e que ele invadisse o seu quarto pela janela entreaberta e simplesmente repousasse do lado da cama que seria meu e pudesse se desmanchar em forma de suspiro ao pé do seu ouvido, para que finalmente você tivesse a certeza do que sinto e me libertasse de toda essa angústia."
125 notesreblog Amantes da loucura, INParanhos.

Há algo aqui perto
nas janelas, nas portas,
vidros, nos corredores
que não me deixa quieto.

Há algo aqui dentro
nas pessoas, nos olhos,
dentro de seus peitos
que não me faz completo.

Há algo aqui longe
nos sonhos, nos desejos
musa, noite serena, voz
que me sussurra de perto,

mas eu só ouço o barulho do vento.
L.S

mais do que imagina

Por mais clichê que possa parecer com minha meninice, não sou tão comum assim. Baseada numa timidez estúpida, desenvolvi uma personalidade complicada. Beirando a loucura, nem eu mesma me entendo. Famosa por grandes dramas ou como dizem, mania de “criar tempestades em copos d’agua” eu garanto que não sou nada do que pareço ser. 

Sobre São Paulo e grandes cidades

Tenho um vício pelo melancólico. Uma paixão esquisita por cidades grandes e seus habitantes apressados. Vivendo em vazios existenciais, buscando algo mais onde não há mais o que achar. Feitos do frio e do suor do dia dia. Gente rica, esnobe e pobre. Gente batalhadora, viva e sem dinheiro. Gente como a gente que não sabe o que quer mas vai atrás mesmo assim.

"Mas a ilusão,
Quando se desfaz,
Dói no coração de quem sonhou."
4,298 notesreblog Tom Jobim.   
"Eu não sinto nada. É como se tudo que eu sentisse tivesse evaporado de dentro de mim. Eu ando pelas ruas lotadas de pessoas e não sinto meus pés tocando o chão, eu nem ao menos sinto que estou andando. Parece que algo me empurra, me obriga a seguir em frente e eu só quero sair correndo para o passado que se faz tão presente. O mundo parece que virou de ponta cabeça e o bobo da corte tornou-se o rei. Tudo vem como uma avalanche que esbarra com um baque surdo em mim. Eu nem sinto mais que estou viva. Não acredito em você. Não acredito em mais ninguém. O nó continua preso em minha garganta mas eu já não sinto mais nada e falta ar em meus pulmões. Eu me sinto obrigada a concordar com tudo o que dizem, mas a verdade, é que não estou mais prestando atenção nas palavras que saem de bocas que eu não reconheço mais."
39 notesreblog Natalia Santos